Cultura, Esporte, Música, Ação Beneficente. Divulgando o melhor do Rio.

 

ACIDENTE COM OS TRENS DA SUPERVIA E SUAS CAUSAS

 

O acidente entre os trens no ramal de Deodoro, na estação de São Cristóvão, acontecido nesta quarta-feira (27/02/2019), que deixou mais de 9 feridos, poderia ter sido muito mais grave se a velocidade do trem que bateu fosse maior.

As causas do acidente só serão conhecidas depois de muitas investigações. A Agência Reguladora de Serviços Públicos de Transportes do Estado do Rio (Agetransp) terá muito trabalho para descobrir o que aconteceu. Isso porque a Supervia não usa um Sistema chamado Computador de Bordo de Monitoramento (CBM), que faz o monitoramento e registra os eventos em tempo real. 

Embora a Supervia use um sistema chamado Automatic Train Protection (ATP), sistema que regula a velocidade do trem e reforça a segurança  da circulação, o mesmo não fornece um relatório detalhado como o CBM.

O CBM é um sistema desenvolvido com tecnologia de última geração, que monitora e guarda todas as informações do ambiente central de comando e controle total das operações, monitorando, gerenciando e automatizando todos os ativos móveis da corporação. 

Além de oferecer maior segurança ao sistema de transporte, o sistema permite que diferentes áreas da empresa sejam controladas. Os gestores dos departamentos visualizam os dados fornecidos pelo CBM, que são importantes aliados no desempenho operacional e estratégico, com ganhos diretos na gestão de operações, financeira e de pessoal. A Empresa STILLE Tecnologia & Inovação (http://www.stille-ti.com.br/) desenvolve com tecnologia integralmente nacional o sistema CBM (Computador de Bordo de Monitoramento), instalado em quase toda a frota de trens no Metrô Rio, que tem como objetivo supervisionar e registrar todas as ocorrências em tempo real, disponibilizando as informações que permitam às gerências do sistema ações preventivas e corretivas nas áreas de operação e manutenção no ato que elas acontecem. 

Acredito que no futuro todos os sistemas de transporte deverão ter um equipamento que monitora os acontecimentos durante o seu trajeto, pois além de oferecer mais segurança aos usuários, as ocorrências seriam imediatamente conhecidas. 

(Por Luiz Martins)